Instituto Açoriano de Cultura Página inicial | Arquivo de Newsletters | Associe-se | Contactos | Mapa do site
Newsletter
 
 

N.º 05 21/01/2010

CONFERÊNCIA
«GEOGRAFIAS MALEÁVEIS: DE ACHILL (IRLANDA) A SAMBALA (CABO VERDE)»

No âmbito do ciclo de conferências Conversas à Janela, o IAC–Instituto Açoriano de Cultura apresenta, no próximo dia 22 de Janeiro, sexta-feira, na sua sede pelas 21h00 a primeira conferência deste ciclo, intitulada Geografias maleáveis: de Achill (Irlanda) a Sambala (Cabo Verde), que contará com a presença dos Professores Doutores João Sarmento e Eduardo Brito Henriques.

Esta conferência estará associada à apresentação pública da obra Distância e Conexão - Insularidade, relações culturais e sentido de lugar no espaço da Macaronésia, da autoria do Prof. Doutor Eduardo Brito Henriques, editada pelo IAC-Instituto Açoriano de Cultura e em articulação com o seu conteúdo, o Prof. Doutor João Sarmento abordará o tema da construção do espaço.

Na perspectiva que o conferencista adopta, o espaço constrói-se e reconstrói-se através da sua vivência e imaginação, dos discursos sobre ele produzidos e das representações que dele se fazem. Neste sentido, a condição periférica de um lugar não é fixa ou temporalmente imutável.

Esta conferência pretende discutir alguns processos culturais, políticos, económicos e tecnológicos através dos quais se constrói a perificidade em lugares bem precisos. Os exemplos vêm de ilhas, desde a de Achill no noroeste da Irlanda, à própria ilha da Irlanda, terminando na ilha de Santiago de Cabo Verde. A sua abordagem pretenderá questionar e debater a fluidez e a plasticidade da condição espacial, com especial referência a espaços insulares.

No livro, que agora se apresenta, questiona-se essa forma de ver as ilhas e propõe-se uma teoria alternativa da insularidade. Olhando especificamente para a realidade concreta das ilhas da Macaronésia a partir das perspectivas da geografia histórica e da geografia cultural, mostra-se neste estudo que a ideia da ilha como epítome do local isolado é equívoca. Aquilo que define o sentido de lugar nas Ilhas Atlântidas não é afinal o isolamento nem a marginalidade extrema, ao contrário do que se poderia julgar, mas sim algo muito mais complexo que isso, algo que reside num estranho equilíbrio construído sobre a ambiguidade da distância e da conexão.

João Sarmento - é Professor Auxiliar no Departamento de Geografia da Universidade do Minho (desde 2001) e doutor em Geografia pela Universidade de Cork, Irlanda (2001). Tem publicado nas áreas da Geografia Cultural, Geografia do Turismo, Geografia dos Transportes, Tecnologias de Informação e Comunicação e Pensamento Geográfico. Em 2004 recebeu o prémio Nacional de Geografia Orlando Ribeiro, atribuído pela Associação Portuguesa de Geógrafos, pela obra Representation, Imagination and Virtual Space. Geographies of Tourism Landscapes in West Cork and the Azores, publicada nesse mesmo ano pela Fundação Calouste Gulbenkian (ISBN 972-31-1072-5).
Foi Director do Departamento de Geografia da Universidade do Minho (2004-2006), Director do Núcleo de Investigação em Geografia e Planeamento (2003-2007), Director do Curso de Geografia e Planeamento (2004-2005) e Presidente do Conselho de Cursos de Ciências Sociais da Universidade do Minho (2004-2007). Leccionou em diversas universidades de países estrangeiros como Timor, Brasil, Irão, Finlândia, Letónia, República Checa, Eslováquia, Bulgária, Espanha, Suécia e Irlanda.

Eduardo Brito Henriques tem o Doutoramento em Geografia Humana e Mestrado em Geografia Humana e Planeamento Regional e Local (Universidade de Lisboa). Licenciatura em Geografia e Planeamento Regional (Universidade Nova de Lisboa).
Especialista em Geografia Humana e Geografia Cultural, é Professor Auxiliar da Faculdade de Letras e Investigador do Centro de Estudos Geográficos, Universidade de Lisboa (unidade de investigação classificada ‘Excelente’ pelo comité de avaliadores internacional independente da FCT). Enquanto docente, tem estado associado ao ensino de disciplinas das áreas científicas da sua especialidade, nomeadamente das cadeiras de Geografia Social e Cultural e de Geografia da População Europeia, de que foi regente. Enquanto cientista, publicou sobre temas da sua especialidade mais de três dezenas de títulos em colectâneas e revistas científicas nacionais e estrangeiras. Complementarmente à actividade científica, é consultor em estudos e projectos de planeamento e ordenamento territorial; integrou nomeadamente o Gabinete do Programa Nacional de Política de Ordenamento do Território (PNPOT).