Instituto Açoriano de Cultura
Página inicial | Associe-se | Contactos | Mapa do site
Projectos Agenda Livraria virtual o IAC
 
 
Relatório de Actividades 2003
 

ÍNDICE
I - Introdução
II - Actividade Editorial
III - Eventos Culturais
IV - Projecto do Inventário do Património Imóvel dos Açores
V - Outras actividades

I - Introdução

O presente Relatório de Actividades reporta as actividades realizadas e em desenvolvimento no ano de 2003, cujo enquadramento foi o Plano de Actividades para o biénio 2003/2004, e é apresentado à Assembleia Geral para discussão e aprovação no termos da alínea d) do artigo 12º e do ponto 3 do artigo 11º dos Estatutos.

II - Actividade Editorial

1. Atlântida - Revista de Cultura - 2002
Saiu do prelo no mês de Abril a Atlântida – Revista de Cultura correspondente ao ano de 2002, cujo conteúdo e apoios encontram-se discriminados no Relatório de Actividades do ano de 2002.

2. Atlântida – Revista de Cultura - 2003
Encontra-se no prelo, com saída prevista para o primeiro trimestre do corrente ano de 2004, o volume LXVIII da Atlântida – Revista de Cultura, correspondente ao ano de 2003.
Deste número, que integra trinta e uma entradas, será executada uma separata do seu Dossiê Temático “Emanuel Félix – 50 Anos de Actividade Literária”.
Este número contou com diversos patrocínios directos, a saber: Direcção Regional da Cultura, Instituto das Artes, Direcção Regional do Ambiente, Direcção Regional da Ciência e Tecnologia, Direcção Regional das Comunidades, Cimentaçor, SAAGA e Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória.

3. Atlântida. Índices (1985-1997)
Sairá do prelo também no primeiro trimestre de 2004 a obra Atlântida. Índices (1985-1997), a qual reúne os índices da chamada “2ª série da Atlântida” ou “Atlântida – Artes e Letras”, que foram elaborados pelo consócio e membro desta direcção Dr. José Avelino dos Santos.

4. CD’s Tradições Orais - Corvo, S. Jorge e Terceira
Realizou-se uma edição de um conjunto de dois CD’s contendo registos sonoros recolhidos por Paulo Henrique Silva, intitulado Tradições Orais - Corvo, S. Jorge e Terceira.
Os CD’s, com vinte e nove faixas, são acompanhados por uma pequena brochura (booklet), que, para além de sugestivas imagens, integra também textos da autoria de Alfredo Saramago, José Alberto Sardinha, João Lobo Antunes, Manuel Rocha, Domingos Cunha, D. Januário Torgal, Nélio Lourenço e Victor Hugo Forjaz.
A edição teve a sua concepção gráfica à responsabilidade do consócio Pintor Rui Melo e contou com um patrocínio específico da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

5. Sumários da documentação sobre os Açores existente no Archivo General de Simancas
Está em desenvolvimento a edição de um CD com 1626 sumários da documentação sobre os Açores existente no fundo Guerra y Marina do Archivo General de Simancas, entre os anos de 1590 e 1605.
Para além da disponibilização destes sumários, aos quais estão associadas diversas facilidades de pesquisa textual, são também incluídos no CD 246 documentos originais, cujo conteúdo está relacionado com construções militares existentes no arquipélago.
A edição deste CD conta com um patrocínio específico da Fundação Calouste Gulbenkian.

6. Cantares do Povo dos Açores, de Tenente José Dias – edição digital
Está também em desenvolvimento a reedição , em formato digital, da obra do Tenente José Dias Cantigas do Povo dos Açores, editada por este Instituto em 1981.
Esta reedição resultará num CD que, para além do respectivo texto integralmente digitalizado e das correntes facilidades de pesquisa textual, disponibilizará também a execução musical de todas as partituras constantes da obra e a possibilidade de sua impressão em escrita musical estandardizada.
Este projecto – que é realizado em parceria com o Instituto Cultural de Ponta Delgada –, atendendo ao seu elevado nível de utilização de novas tecnologias digitais, foi objecto de uma candidatura ao INFOTEC e tem a sua execução em desenvolvimento na Universidade Federal de Santa Catarina, no Brasil.

7. Igreja – Virtudes e pecados (entrevistas), de Tibério Cabral
Sairá do prelo durante o primeiro semestre do corrente ano de 2004 a obra Igreja – Virtudes e pecados (entrevistas), da autoria do jornalista Tibério Cabral.
Esta obra, contendo 22 entrevistas realizadas a personalidades e indivíduos na sua quase totalidade relacionados com a igreja católica, tem um prefácio do escritor Fernando Dacosta e conta com patrocínios directos da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo e da Direcção Regional da Cultura.

8. Annals of Dabney Family in Fayal – tradução e edição em Língua Portuguesa
Encontra-se no prelo, com saída agendada para o próximo mês de Maio, a edição em Língua Portuguesa do primeiro volume da obra Annals of Dabney Family in Fayal.
Esta obra, composta por três volumes escritos em língua inglesa, há muito aguardava por uma edição em Língua Portuguesa, pesem embora duas tentativas frustradas realizadas ao longo das décadas de oitenta e noventa do século passado.
Na sequência de um repto lançado a este Instituto no sentido de tomar a seu cargo esta missão, e uma vez tomada a decisão de a realizar, foi calendarizada a execução deste projecto de tradução e edição em Língua Portuguesa dos três volumes dos Annals of Dabney Family in Fayal de modo a sair do prelo um volume por ano. Deste modo, sai no corrente ano o primeiro volume, em 2005 o segundo e em 2006 o terceiro.
A tradução é da responsabilidade do tradutor Dr. João Manuel Cardoso Simão Duarte e é assessorada no domínio da História do Faial pelo historiador e consócio deste Instituto Dr. Ricardo Madruga da Costa.
Esta acção, que integra uma parceria com o Núcleo Cultural da Horta, é realizada com os patrocínios da Secretaria Regional do Ambiente e da Câmara Municipal da Horta.

III - Eventos Culturais

EXPOSIÇÕES

1. «Universo Urbanístico Português – 1415-1822»
Numa parceria com o CIUL – Centro de Informação Urbana de Lisboa, organismo dependente da Câmara Municipal de Lisboa, foi apresentada nos Açores a exposição «Universo Urbanístico Português – 1415-1822».
Esta apresentação ocorreu em Ponta Delgada, no Centro Municipal de Cultura, de 24 de Janeiro a 4 de Fevereiro, e em Angra do Heroísmo, no Palácio dos Capitães Generais, de 27 de Fevereiro a 14 de Março.
Nas duas inaugurações da exposição esteve presente um dos respectivos comissários, o Arquitecto Walter Rossa, que efectuou uma visita guiada e proferiu uma conferência sobre o tema da mesma.

2. «João Correia Rebelo – Um Arquitecto Moderno nos Açores»
Ao fim de mais de um ano de preparação, foi inaugurada no dia 20 de Fevereiro, na Academia das Artes dos Açores em Ponta Delgada, a exposição «João Correia Rebelo – Um Arquitecto Moderno nos Açores» que divulgou e deu a conhecer a obra deste destacado arquitecto açoriano, nascido em 1923, e que constituiu a primeira exposição integralmente produzida e realizada por este Instituto no âmbito de um projecto de investigação. Para além de outras individualidades, esta inauguração contou com a presença, como convidado deste Instituto, do então Presidente do Instituto de Arte Contemporânea, Arquitecto José Manuel Fernandes.
A exposição foi comissariada pelo Arquitecto João Vieira Caldas, com a assessoria da Arquitecta Ana Vaz Milheiro e da Doutora Maria Helena Barreiros.
Foi editado um cartaz e um catálogo de 132 páginas, que integrou, para além da relação de todas os projectos e de fichas desenvolvidas de nove obras escolhidas, textos técnicos de Ana Tostões, Ana Vaz Milheiro, João Paulo Martins, João Vieira Caldas, Jorge A. Paulus Bruno, José Manuel Fernandes, Maria Helena Barreiros e Nuno Teotónio Pereira. Foram também realizadas edições facsimiladas dos dois manifestos da autoria de João Correia Rebelo: Não! e Senhor Ministro.
Esta exposição esteve patente ao público de 20 de Fevereiro a 22 de Março em Ponta Delgada. De seguida foi apresentada na Casa da Cerca/Centro de Arte Contemporânea (Câmara Municipal de Almada), de 12 de Abril a 8 de Junho, e, de 15 a 29 de Novembro, na Casa dos Açores do Quebeque, em Montreal, Canadá.
Todas estas apresentações têm contado, no dia da sua inauguração, com uma conferência sobre a obra de João Coreia Rebelo proferida pelo comissário Arquitecto João Vieira Caldas. Ainda durante o período em que decorreu a apresentação da exposição na Casa da Cerca, foram realizadas uma visita guiada pelo comissário e um mesa-redonda moderada pelo arquitecto Nuno Teotónio Pereira e com a participação dos arquitectos João Vieira Caldas e Ana Tostões.
Também pela Casa da Cerca, e assinalando os seus dez anos de actividade, foi editado um jornal informativo que prestou ampla divulgação a esta exposição.
Nas apresentações em Ponta Delgada e em Montreal realizou-se, em parceria com as instituições que as acolheram, uma sessão de homenagem pública ao Arquitecto João Correia Rebelo, a última das quais, pese embora o seu agravado estado de saúde, contou com a sua presença.
A realização desta exposição contou com patrocínios de várias entidades e instituições, das quais se salientam a Direcção Regional da Cultura, que suportou integralmente o custo da concepção e execução gráfica do respectivo catálogo, o Instituto de Arte Contemporânea, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento, a Câmara Municipal de Ponta Delgada, a Direcção Regional das Comunidades, o Consulado Geral de Portugal em Montreal, o Instituto Camões, a Casa da Cerca/Centro de Arte Contemporânea, a Academia das Artes dos Açores, a Ordem dos Arquitectos, a Casa dos Açores do Quebeque e a empresa Ana Nóbrega L.da.
Para o corrente ano está programada a apresentação desta exposição na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, de 13 de Fevereiro a 13 de Março, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, de 8 de Junho a 3 de Julho, e, finalmente, em Angra do Heroísmo no último trimestre.

3. «Fajã da Alma», de Eduardo Carqueijeiro
Realizou-se uma exposição de pintura de Eduardo Carqueijeiro intitulada «Fajã da Alma». Esta exposição, integrada por trinta pinturas, foi apresentada de 14 a 30 de Maio na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada, de 16 a 30 de Julho no Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo e de 20 a 25 de Outubro na Fábrica da Baleia / Centro do Mar, na cidade da Horta.
Em cada uma das inaugurações esteve presente o autor e na última, entre outras individualidades, o Prof. Doutor Paulo Cunha e Silva, na qualidade de Presidente do Instituto das Artes, como convidado deste Instituto.
Esta exposição foi acompanhada por um catálogo editado por este Instituto.

4. Exposição de fotografia e vídeo de Jorge Molder
Realizou-se uma exposição com obras do consagrado artista Jorge Molder, que foi apresentada em Angra do Heroísmo, no Palácio dos Capitães Generais, de 26 de Setembro a 24 de Outubro, e em Ponta Delgada, na Academia das Artes dos Açores, de 20 de Novembro a 20 de Dezembro.
A exposição, que integrou a série de fotografia O Pequeno Mundo e o vídeo A Linha do Tempo, foi acompanhada por um catálogo editado pelo IAC.
A inauguração em Angra contou com a presença do artista e do comissário, Doutor Delfim Sardo. A inauguração em Ponta Delgada contou com a presença do Presidente do Instituto das Artes, Prof. Doutor Paulo Cunha e Silva.

5. «Do desenho, do corpo e do branco e do negro», de José António Flores
Realizou-se uma exposição de desenhos de José António Flores intitulada « Do desenho, do corpo e do branco e do negro» , em parceira com a Sociedade Nacional de Belas-Artes, que foi apresentada no Palácio dos Capitães Generais, em Angra do Heroísmo, de 6 a 28 de Novembro.
A acompanhar a exposição foi editado um catálogo, no qual está incluído um texto inédito do falecido Pintor Fernando de Azevedo sobre os desenhos que integram esta mostra.
Esta exposição está presentemente no Centro Municipal de Cultura de Ponta Delgada, onde foi inaugurada no passado dia 8 do corrente mês de Janeiro e onde permanecerá até ao dia 30.
Nas respectivas inaugurações esteve presente, para além do artista, a Presidente da Sociedade Nacional de Belas-Artes, Pintora Emília Nadal, que se deslocou aos Açores a convite deste Instituto, e o Secretário-Geral daquela Sociedade, António Silva.

CONFERÊNCIAS, MESAS REDONDAS E APRESENTAÇÕES DE EDIÇÕES

1. Mesa-redonda sobre Arquitectura Contemporânea com o Arqº Eduardo Souto Moura
No dia 14 de Abril, no Hotel do Colégio, em Ponta Delgada, e no dia 15, no Museu de Angra, realizou-se, em parceria com a Casa da Cultura da Terceira, uma mesa-redonda sobre arquitectura contemporânea com a presença do Arquitecto Eduardo Souto Moura.
As ideias expressas e os projectos que foram apresentados suscitaram um participado debate.

2. Mesa-redonda sobre as causas do insucesso do ensino da Matemática e das Ciências em Portugal com conferência pelo Prof. Doutor António Manuel Baptista
No dia 29 de Abril, no Hotel do Colégio, em Ponta Delgada, e no dia 30, na Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo, realizou-se, em parceria com o Forum Açoriano – Associação Cívica, uma mesa-redonda sobre as causas do insucesso do ensino da Matemática e das Ciências em Portugal com a presença do Prof. Doutor António Manuel Baptista, que proferiu uma conferência subordinada ao tema «Invenção e descoberta no ensino da Matemática e das Ciências».
Participaram em cada uma das mesas-redondas, através da apresentação de testemunhos, um professor, um pai e um aluno.
As ideias expressas na conferência do Prof. Doutor António Manuel Baptista e nos testemunhos suscitaram um participado debate.

3. Apresentação da Atlântida – Revista de Cultura – 2002
A Atlântida – Revista de Cultura – 2002 foi apresentada em Ponta Delgada e em Angra do Heroísmo no âmbito da mesa-redonda sobre as causas do insucesso do ensino da Matemática e das Ciências em Portugal.
Foi também apresentada na Ilha de Santa Maria, na Câmara Municipal de Vila do Porto, no dia 9 de Maio, pelo Prof. Doutor Rui de Sousa Martins, com particular destaque para a sua separata Moinhos de Água. Ilha de Santa Maria, Açores, da autoria de José Joaquim dos Santos Pereira Cabral.
No dia 29 de Maio foi apresentada na Horta, no âmbito da Semana de Porto Pim, com uma conferência proferida pela arqueóloga Catarina Garcia, subordinada ao tema «A importância da carta arqueológica dos Açores e os estudos de minimização de impacte patrimonial. O caso do sítio arqueológico da Fragata Pallas – Calheta, São Jorge».

4. Apresentação dos CD’s Tradições Orais - Corvo, S. Jorge e Terceira
No dia 18 de Julho, no Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo, no dia 26 de Julho, na Câmara Municipal da Calheta, Ilha de São Jorge, e no dia 28 de Outubro, na Casa dos Açores de Lisboa, foi apresentado ao público o conjunto de CD’s Tradições Orais - Corvo, S. Jorge e Terceira.
As apresentações foram realizadas com conferências proferidas por Manuel Rocha, Armando Mendes e Alfredo Saramago, respectivamente.
A apresentação realizada na Ilha de São Jorge foi integrada no âmbito do programa do Festival de Julho promovido pela autarquia da Calheta.

5. Mesa-redonda sobre Autonomia Constitucional com conferências pelo Prof. Doutor António Sousa Franco e pelos Doutores José Guilherme Reis Leite e Arnaldo Ourique
No dia 20 de Setembro realizou-se uma mesa-redonda sobre a Autonomia Constitucional com a participação dos Doutores José Guilherme Reis Leite, com uma conferência na perspectiva política, e Arnaldo Ourique, na perspectiva jurídica, e do Prof. Doutor António Sousa Franco na perspectiva económica e financeira.
As ideias expressas nas conferências suscitaram um participado debate.

6. Mesa-redonda sobre o Prémio Cecil – 2002, atribuído ao Arquitecto Pedro Maurício Borges
No dia 10 de Outubro, no Hotel do Colégio, em Ponta Delgada, e no dia 6 de Dezembro, no Museu de Angra do Heroísmo, em parceria com a MUU – Produções Culturais e com a Casa da Cultura da Terceira, realizou-se uma mesa-redonda com a apresentação do Prémio Cecil – 2002 pelo respectivo arquitecto premiado, Pedro Maurício Borges, que suscitou participado debate.

7. Mesa-redonda sobre Design com o Doutor Paulo Parra
No dia 11 de Outubro, no Museu de Angra do Heroísmo, e em parceria com a Casa da Cultura da Terceira, realizou-se uma mesa-redonda sobre Design com a participação do coleccionador e designer Doutor Paulo Parra.

IV – Projecto do Inventário do Património Imóvel dos Açores

Foi dada continuidade à execução do Contrato de Cooperação celebrado entre a Direcção Regional da Cultura e o Instituto Açoriano de Cultura, respeitante ao projecto do Inventário do Património Imóvel dos Açores.

Neste âmbito, foram concluídos, no mês de Março, os trabalhos de terreno do Inventário do Património Imóvel do Concelho da Ribeira Grande, no qual foram inventariadas 222 espécies. Encontram-se em cursos os trabalhos de revisão e correcção das fichas e organização do respectivo dossiê.

Foram realizados, entre os meses de Agosto e Outubro, os trabalhos de terreno dos Inventários do Património Imóvel dos Concelhos das Lajes e Santa Cruz das Flores, no âmbito dos quais foram inventariadas 65 e 54 espécies, respectivamente. Nos dias 29 de Agosto e 12 de Setembro, nas câmaras municipais das Lajes e de Santa Cruz, respectivamente, foram realizadas conferências de apresentação do projecto pelo presidente da direcção deste Instituto e coordenador deste projecto. Em simultâneo com as conferências, foram também inauguradas as apresentações da exposição «Arquitectura Popular dos Açores», que se mantiveram em cada um dos respectivos paços municipais durante uma semana.

Foram concluídos os trabalhos de preparação e acompanhamento da execução gráfica da obra Inventário o Património Imóvel dos Açores. Faial. Horta, cuja saída do prelo ocorreu no mês de Março. Deste modo, no dia 28 de Março, no Hotel Horta, e em parceria com a respectiva Câmara Municipal, foi realizada a apresentação ao público desta obra, com uma conferência sobre o património imóvel do concelho, proferida pelo Arquitecto João Vieira Caldas.

Decorreu e decorre a preparação da execução gráfica da edição em livro do Inventário do Património Imóvel do Concelho da Praia da Vitória, cuja saída do prelo está prevista para o mês de Junho do corrente ano de 2004.

Está suspensa, por falta de solução de financiamento, a concepção e construção do software informático que tem por objectivo a implementação de um sistema de informação geográfica à gestão dos dados deste projecto. Entretanto, atendendo ao elevado nível de utilização de novas tecnologias digitais, foi apresentada uma candidatura ao INFOTEC.

Foi assegurada a manutenção da página da Internet onde estão disponibilizados os dados referentes a este projecto (www.inventario.iacultura.pt). Aos elementos dos concelhos de São Roque, Lajes e Madalena, da Ilha do Pico, e do Corvo, já disponibilizados na Internet, foram, no final do ano de 2003, adicionados os referentes ao concelho da Horta.

A convite da Delegação dos Açores e do Conselho Directivo da Região Sul da Ordem dos Arquitectos, foi apresentada, em conjunto pelo presidente da direcção deste Instituto e coordenador deste projecto e pelo Arquitecto João Vieira Caldas, uma conferência intitulada «Património e Reconstrução – A utilidade do Inventário do Património Imóvel dos Açores», no âmbito do encontro «Território em Debate / A reconstrução das ilhas do Pico e Faial, na sequência do sismo de 9.7.98», realizado na Horta, no dia 12 de Julho.

Por solicitação da Direcção Regional da Cultura, foram emitidos diversos pareceres relacionados com a gestão do património edificado.

De salientar, por último, ainda em relação a este item, que o progresso dos trabalhos foi altamente condicionado pela falta do cumprimento integral do financiamento constante no contrato de cooperação por parte da Direcção Regional da Cultura, que previa um processamento financeiro, no ano de 2003, de €60.000 e só se concretizou no montante de €30.000.

V - Outras actividades

1. Com o objectivo de enquadrarem o desenvolvimento de determinadas acções e parcerias, foram celebrados protocolos com as seguintes instituições: Universidade Federal de Santa Catarina do Brasil, Secretaria Regional do Ambiente, Câmara Municipal da Horta e Núcleo Cultural da Horta.

2. Foram preparadas e apresentadas as seguintes candidaturas, tendo em vista a assegurar financiamento para o desenvolvimento dos seguintes projectos do IAC:

2.1. Ao INTERREG III B:

  • ATLANTID’ARTE – Projecto Atlântico de Arte Contemporânea, que pretende estabelecer uma cooperação e intercâmbio entre as regiões da Macaronésia com base na circulação dos seus artistas plásticos, tendo em vista a troca de experiências, a apresentação das suas obras e a criação de novos públicos.
  • ATLANTIDIGITAL’ART – Projecto Atlântico de Arte Digital, que pretende estabelecer uma cooperação e intercâmbio entre as regiões da Macaronésia com base na circulação dos seus artistas plásticos que se dediquem à criação utilizando as novas tecnologias de comunicação, tendo em vista o fomento e estímulo da investigação, a troca de experiências, a apresentação das suas obras e a criação de novos públicos.

2.1. Ao INFOTEC:

  • Cantares do Povo dos Açores , de Tenente José Dias – edição digital
  • Inventário do Património Imóvel dos Açores – SIG.

3. O IAC constituiu-se parceiro das seguintes instituições que apresentaram as seguintes candidaturas INTERREG III B:

  • Direcção Geral do Património Histórico do Governo das Canárias – projecto ULISSES (criação de sinergias e métodos de trabalho para a valorização e gestão sustentável do património cultural da Macaronésia Insular)
  • Associação de Empreendedores de Canárias – projecto ATLANESIA (promover o intercâmbio e a difusão das actividades artístico-culturais, a cooperação e o fomento da actividade empresarial no campo da cultura e da divulgação dos conhecimentos e das iniciativas científicas em matéria de I+D levadas a cabo nas regiões da Macaronésia)
  • Câmara Municipal do Funchal – projecto AUDIO ( criação de uma fonoteca digital do Atlântico).

4. Foi aprovada, com a apreciação de «Muito Bom» por um júri internacional, a candidatura apresentada à Fundação para a Ciência e Tecnologia, em parceria com a Universidade Nova de Lisboa e com a Universidade dos Açores, tendo em vista o prosseguimento da investigação junto do Archivo General de Simancas com a finalidade de levantar os documentos existentes neste arquivo com interesse para a história dos Açores, no valor global de €45.000.

5. Ao longo do ano de 2003 foram admitidos dezassete novos sócios efectivos e dois sócios patronos.

6. Demonstrando as vantagens inerentes, intensificou-se junto dos associados a campanha para que o pagamento da quota anual passasse a ser efectuada através de transferência bancária.

7. Procurou-se imprimir uma nova dinâmica de comunicação com o público em geral e com os associados em particular através do recurso à página da Internet (www.iac-azores.org) e às facilidades do correio electrónico. Assim, tem-se procurado manter com a máxima actualização possível a informação sobre o IAC e as suas actividades que é disponibilizada na página da Internet.
Por outro lado, passou-se a enviar aos associados informação referente a cada uma das actividades através do sistema de correio electrónico.

8. Na área do registo contabilístico das operações financeiras do IAC, foi decidido contratar os serviços de uma empresa de contabilidade no sentido destas operações passarem a ser supervisionadas por um Técnico Oficial de Contas a partir de 2004.
Em simultâneo, regularizou-se a situação do IAC junto das Finanças, registando a sua actividade comercial, embora sem fins lucrativos, de venda de livros e outros bens culturais.

9. O Presidente da Direcção tomou parte em diversos actos públicos e esteve presente em programas e deu entrevistas a diversos órgãos de comunicação social em representação do IAC.

10. Foi emitido um parecer sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional n.º 30/2003 (Bases do Regime de Protecção e Valorização do Património Cultural da Zona Classificada de Angra do Heroísmo), a pedido da Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa Regional.

11. A convite do IAC deslocaram-se aos Açores e visitaram a respectiva sede os presidentes do Instituto das Artes, Prof. Doutor Paulo Cunha e Silva, e da Sociedade Nacional de Belas-Artes, Pintora Emília Nadal.

12. Foram apresentados cumprimentos protocolares pela direcção do IAC ao Ministro da República e ao Director Regional da Cultura.

13. A direcção do IAC recebeu cumprimentos protocolares de despedida, ainda na qualidade de Ministro da República, do Doutor Alberto Sampaio da Nóvoa.

14. O Director Regional da Cultura foi recebido na sede do IAC, para uma sessão formal de trabalho.

15. Foram oferecidas colecções das publicações do IAC a várias instituições.

16. Foi assegurada a presença das publicações do IAC para venda nas principais livrarias dos Açores, de Lisboa e do Porto.

17. Contando com o apoio da Santa Casa da Misericórdia da Praia da Vitória, o stock de livros do IAC foi deslocado da sua sede para um armazém anexo à farmácia daquela Santa Casa na Praia da Vitória.

18. O património artístico do IAC foi enriquecido com a oferta de uma serigrafia pelo Pintor José de Guimarães e por duas pinturas por Eduardo Carqueijeiro.
O património documental foi enriquecido pela oferta de uma colecção de publicações pela Fundação Calouste Gulbenkian, para além daquelas outras que resultaram de permutas e ofertas de autores.

19. Registou-se um bom nível de aceitação pelas entidades e instituições a quem o IAC propôs a concessão de apoios ou patrocínios, os quais vieram permitir a concretização das actividades mencionadas no presente relatório.
Alguns dos apoios ou patrocínios concedidos por estas entidades e instituições representam, por vezes, um valor que não é expresso em valor monetário no Relatório de Contas, mas nem por isso podem ser esquecidos, dada a sua importância, como é o caso, por exemplo, da Companhia de Seguros Fidelidade que suportou o custo de todos os seguros das exposições realizadas durante o ano de 2003.
Os outros, ou sejam aqueles que se concretizaram através da concessão de apoios monetários, representam uma parcela também muito importante no cômputo geral das receitas do IAC, com destaque para o Instituto das Artes, para Secretaria e Direcção Regional do Ambiente e para a Direcção Regional da Cultura, pese embora o processamento financeiro desta última instituição só se ter concretizado no início do corrente ano de 2004 e, por conseguinte, não figurar do relatório de contas referente ao ano de 2003.

Angra do Heroísmo, 14 de Janeiro de 2004

A Direcção do IAC
Jorge Augusto Paulus Bruno (Presidente)
José Avelino Rocha dos Santos (Secretário)
Dimas Manuel Simas da Costa Lopes (Tesoureiro)
Dulce Maria Almeida de Andrade (Vogal)
Paulo Vilela Raiundo (Vogal)

Aprovado em Assembleia Geral de 15 de Janeiro de 2004

Apresentação
Galeria de Presidentes
Estatutos
Orgãos Sociais
Projecto Cultural IAC
Relatórios de Actividades
Última actualização em 2006-12-12